Lima & Santana Propaganda

Emojis: a grande onda

Se você usa a internet, smartphone e redes sociais já conhece os emojis, aquelas carinhas e ícones que substituem as palavras.

Uma rápida história: o emoji surgiu na década de 90, um criação do japonês Shigetaka Kurita, que trabalhava para a NTT DoComo, maior empresa de telefonia celular do país. A ideia do emoji nasceu em meio à onda dos pagers e sua crescente febre entre os adolescentes. Apesar do sucesso, a empresa abandonou os desenhos para se aproximar do público empresarial.

Em paralelo, a DoComo trabalhava no i-mode, a primeira plataforma de internet móvel. Em 1998, procurando um hardware para essa plataforma, Shigetaka Kurita foi à São Francisco para ver de perto o PocketNet da AT&T, a primeiro celular com internet do mundo. Mas o PocketNet sofria com uma problema: muito texto para pouca tela. Com essa dificuldade Kurita resolveu reviver os emojis e usá-los no lugar de palavras.

A partir daí, os emojis se difundiram pelo mundo, com os finados ICQ e MSN, até estourar com o lançamento do IOS 2 da Apple e o uso constante de smartphones e do Whatsapp.

Hoje, os ícones se firmaram como um meio de linguagem e comunicação universal, de conhecimento geral e uso vasto.

Porém, mais recentemente assistimos uma onda de emojis na publicidade, com exemplos que consideramos inteligentes e outros um pouco forçados.

No Brasil a mais famosa é a recente campanha do Itaú, que foi inicialmente veiculado na TV e já rendeu um total de 20 vídeos diferentes sobre os mais diversos temas (São João, Carreira, Facebook, Futebol, USP e etc). A ideia é se aproximar do público jovem usando os emojis e divulgar o aplicativo para smartphones.

Apesar da associação natural (emojis com smartphone), nos parece um pouco forçado a veiculação em TV, além do grande número de vídeos sempre com o mesmo recurso.

Uma ideia bem semelhante foi veiculada pela PETA em março de 2014. Um vídeo bem mais impactante, até por associar os emojis (um ícone amigável) com a matança de animais.

Mas até agora a ação mais oportuna usando os emojis está sendo realizada pela Domino’s, a famosa pizzaria, nos EUA. Mecânica simples e criativa: aproveitando o alto número de pessoas que já pediam pizza pelo site da empresa, a Domino’s abriu a possibilidade que o cadastro fosse associado ao twitter, com isso para fazer um pedido (do sabor favorito, previamente cadastrado no site), bastava twittar o emoji de pizza para o perfil da marca. Algo simples, com custos de investimento baixos, divulgação espontânea e sem tirar o recurso do ambiente digital.

Recentemente ainda tivemos a imersão da FofoStore, uma startup brasileira que faz pelúcias e almofadas exclusivas a partir de emojis e ganha grande destaque na mídia. Além do anúncio por parte da Sony que será produzido um filme usando as famosas carinhas.

A onda dos emojis no entretenimento e na publicidade ainda deve ser longa, mas vamos torcer para que eles sejam usados de forma mais criativa, indo além de outdoors e anúncios de revistas, até para não esgotar o recurso visual.