Lima & Santana Propaganda

Governo Bolsonaro quer melhorar imagem em meio a crises e propõe dobrar verba de publicidade – 05/07/2020 – Poder

Agência de Propaganda em Santos

Criação de Site - A Secom (Secretaria de Comunicação) pediu a liberação ainda neste ano de R$ 325 milhões para gastar em publicidade e em relações públicas para tentar melhorar a imagem do governo Jair Bolsonaro no país e no exterior.

Gerenciamento de redes sociais em Santos - O valor é mais do que o dobro previsto no atual orçamento de 2020 para ações de comunicação, cerca de R$ 138,1 milhões. A Secom justifica o pedido por mais recurso sob o argumento da pandemia do novo coronavírus.

Pricing - “Tais providências são determinantes para que a Secom, no contexto de enfrentamento do Brasil à pandemia do Covid-19, tenha condições de cumprir com sua missão de promover a comunicação do governo federal com a sociedade e ampliar o acesso às informações de interesse público”, diz o documento.

Serviços Promocionais - O pano de fundo, no entanto, é tentar recuperar a imagem do governo abalada por uma sucessão de crises provocadas por decisões tomadas por Bolsonaro e sua equipe.

Empresa de Publicidade - Segundo a mais recente pesquisa do Datafolha, feita no final de junho, a rejeição ao presidente atinge de 44% dos brasileiros. A aprovação é de 32%, enquanto os que avaliam Bolsonaro como regular são 23%.

Pricing - O pedido de mais verba pela Secom foi feito no início de junho, antes de Bolsonaro reformular a área do governo e recriar o Ministério das Comunicações. O presidente tem mostrado insatisfação com a maneira com que o governo é retratado no país e no exterior.

Comex - A pasta é controlada por Fábio Faria (PSD), congressista ligado ao centrão, que anunciou mudanças na condução da comunicação do governo.

Simpatia para atrair dinheiro e sorte - Em sua posse, o ministro disse que a “mídia continua a estar entre as prioridades” do governo e defendeu a liberdade de expressão.

Sejam bem-vindos, - Na quinta-feira (2), ao participar da primeira reunião virtual de cúpula de presidentes do Mercosul, Bolsonaro afirmou que o governo está procurando corrigir o que chamou de “opiniões distorcidas” que arranharam a imagem do país no exterior.

Portifa - “Nosso governo vai desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil, mostrando ações que temos tomado em favor da floresta amazônica e do bem-estar das populações indígenas.”

Oportunidade em agência de publicidade de Santos - Na avaliação de assessores ligados à cúpula do Planalto e da ala militar do governo, o discurso ideológico contaminou a comunicação oficial, especialmente no exterior, causando danos à imagem do país.

Pricing - No final de junho, um grupo de investidores internacionais enviou uma carta aberta a embaixadas brasileiras em oito países manifestando preocupação com o “desmantelamento de políticas ambientais e de direitos humanos”.

Publicidade em Santos - A Folha teve acesso a três ofícios encaminhados pela Secom à Secretária-Geral da Presidência, à Secretaria de Governo e ao Ministério da Economia. Neles, há a justificativa para a liberação do gasto com publicidade. Procurada, a Secom não se manifestou.

SLIDE - De acordo com o pedido, a repercussão negativa das ações do governo está impactando a imagem do país e é necessário incentivar a “veiculação de pautas positivas” no Brasil e no exterior.

Empresa de Vidro em Santos - A estratégia prevê a liberação da R$ 200 milhões em publicidades que terão como foco principal mídias regionais em detrimento a veículos nacionais —mais críticos às ações do governo— e quintuplicar o valor gasto em relações públicas com a mídia.

Pintura Empresarial em Santos - “Há necessidade de coordenação e capilaridade regional, associada a situações muitos díspares em cada local. Já o trabalho internacional vai focar nos veículos influenciadores de opinião nos países-chave para o Brasil”, afirmou o secretário-adjunto Samy Liberman em um dos ofícios encaminhados no início de junho.

Armazém para locação em Santos - Há ainda o pedido de liberação de R$ 60 milhões para gastar em veículos no exterior.

Rádio para supermermercados - “O Brasil tem sido citado de forma recorrente pelos principais jornais e agências de notícias internacionais, e críticas à atuação do governo no enfrentamento à Covid-19 têm sido amplamente divulgadas”, diz Liberman.

Empresa de Publicidade - Ele cita seis publicações em veículos de imprensa americanos e europeus que criticam as ações de Bolsonaro.

Feitiço para empresa crescer - A primeira publicação é de 14 de abril, do jornal The Washington Post. Em editorial, o veículo critica a postura do governo frente à pandemia: “Líderes arriscam vidas ao subestimar o coronavírus. Bolsonaro é o pior”, diz o texto.

Papa Saneamento - O secretário também cita reportagem do jornal britânico The Guardian: “Bolsonaro está arrastando o Brasil para a calamidade do novo coronavírus. Especialistas temem”.

Móveis Planejados em Santos - Em outra citação, Liberman relata que as mudanças no comando da Saúde repercutiram negativamente em um dos jornais econômicos mais influentes do mundo.

Rádio Corporativa - “O episódio da troca de ministro da Saúde ganhou ampla repercussão, como por exemplo matérias publicadas pelos jornais The Wall Street Journal e The Washington Post. Também jornais europeus repercutiram a saída do ministro.”

Feitiço para empresa crescer - “É neste cenário, em que o volume de mensagens negativas expõe o país, que se faz necessária a ação de comunicação, que, por meio de divulgação de informações relacionadas a diversos setores, culminem na reversão da imagem negativa do Brasil no exterior.”

Home – 1 - Desde janeiro de 2019, a Secom está sem contrato para os serviços de relações públicas no exterior. Nos últimos anos, a média de gastos anual foi de R$ 10 milhões para ações focadas na participação do Brasil em fóruns internacionais.

Agência em Santos - O pedido de mais verba foi feito dois dias depois de o governo cortar o orçamento do Bolsa Família para expandir a publicidade institucional. A tesourada de R$ 83,9 milhões acabou sendo cancelada após repercussão negativa.

Magia para empresa voltar lucrar - Além dos recursos para publicidade e relações públicas, o governo quer destinar outros R$ 10 milhões para comunicação digital. No documento, Liberman diz que os recursos vão ser usados para a adoção de uma identidade visual nos portais do governo.

Simpatia para atrair dinheiro e sorte para empresa - O acompanhamento das redes sociais, ponto de crítica constante por parte de um dos filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro, também pode receber uma parte do bolo —R$ 5 milhões.

Estande para Intermodal - O pedido diz que “as redes sociais é uma das formas usuais de verificação dos anseios da sociedade” e ambiente para a “formação de parte da opinião pública no processo dialógico”.

Evolução do gasto com comunicação institucional em 2020

  • Dotação inicial: R$ 124,5 milhões
  • Dotação atual: R$ 138,1 milhões
  • Dotação pedida: R$ 325 milhões

Clientes - Em que o governo quer gastar a verba solicitada

  • Publicidade no Brasil e no exterior: R$ 260 milhões
  • Relações públicas e com a imprensa no Brasil e no exterior: R$ 50 milhões
  • Comunicação digital: R$ 10 milhões

Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/07/governo-bolsonaro-quer-melhorar-imagem-em-meio-a-crises-e-propoe-dobrar-verba-de-publicidade.shtml